Entenda os motivos do crescendo de taxas nos planos de seguros em 2021

0
Share

O setor de seguros continuou crescendo à taxa acumulada de 14,7% ao ano.

O comportamento de agosto com queda de 4,3% foi influenciado pelos planos de acumulação VGBL e PGBL, mas sua boa evolução e também a evolução positiva dos demais ramos de seguros continuam mostrando estabilidade setorial, explica o presidente Federal Nacional das Seguradoras – CNseg, Marcio Coriolano (Foto), em editorial no novo número da Conjuntura CNseg (nº 55).

Os dados dos primeiros oito meses do ano já refletem a comparação com uma base maior em 2020, pois mostraram uma evolução contínua a partir do mês de junho.

A tendência é de taxas de seguros cumulativas significativas, mas estão se tornando cada vez mais baixas.

Esse movimento ainda mostra desempenhos inconsistentes entre os segmentos e os efeitos dos ciclos curtos do produto, tais como:, em função da queda mensal, avaliou Marcio Coriolano. A arrecadação global acumulada foi de R $ 198,8 bilhões, excluindo Saúde e excluindo DPVAT.

Na comparação com outros setores da economia e de acordo com as pesquisas mensais do IBGE, a indústria recuou 0,6% em agosto e o comércio ficou estável. Nosso desempenho setorial em agosto em relação a agosto de 2020 foi melhor que o dos demais setores de atividade com 2,4%, destaca Marcio Coriolano.

De janeiro a agosto de 2021, com base nos primeiros oito meses de 2020, os segmentos de Sinistros e Passivos aumentaram 15,2%, os de vida e previdência 15,5% e a capitalização 7,4%. O efeito preventivo contra riscos continua a despertar crescente interesse da população por ramos de seguros cuja cobertura se relaciona diretamente com o patrimônio da família e a proteção previdenciária, enfatizou o presidente da CNseg.

 

As taxas de crescimento acumuladas para os primeiros oito meses do ano em relação a 2020 foram maiores que no mesmo período de 2020 em relação a 2019, embora o primeiro tenha tido dois meses não afetados pela proclamação da pandemia – janeiro e fevereiro, contextualizou Marcio Coriolanus .

Em termos absolutos, o setor de seguros está R $ 9,8 bilhões acima do faturamento dos últimos oito meses de 2019 antes do início da pandemia no Brasil. Olhando para os próximos quatro meses de 2021, as previsões mais firmes agora dependem do impacto da alta inflação e das taxas de juros na vida econômica, especialmente nos orçamentos familiares, disse o presidente da CNseg.

Aviso Importante: o Site IDASRJ não retém nem uma informação pessoal ou dados financeiros de seus doadores, portanto fique tranquilo para realizar sua doação de forma segura
CNPJ: 0.465.055/0001-91